• www.mesaofrio.com.pt
  • www.mesaofrio.com.pt
  • www.mesaofrio.com.pt
  • www.mesaofrio.com.pt

História

Lazer

Vitivinicultura

Gastronomia

Artesanato

Capela de Santa Bárbara

  • Versão para impressãoEnviar por E-mail

Construída em 1699, (data inscrita no portal assinalando a sua construção)  pertencia a Pedro da Fonseca de Castro, então vivendo na cidade de Braga. Encontra-se isolada, num dos extremos da povoação, a 329 metros de altitude. É envolvida por campos de cultivo.

Arquitectura religiosa, maneirista. Capela de planta longitudinal simples, interiormente iluminada pelos vãos axiais e com tecto de madeira. Fachadas rebocadas e pintadas, a principal terminada em empena, truncada por sineira, com cunhais apilastrados, coroados por pináculos e rasgada por portal de verga recta entre dois vãos laterais, jacentes. Fachadas laterais cegas, tal como a posterior, que termina em empena. No interior possui retábulo-mor maneirista, de planta recta e um eixo, e tecto de caixotões, pintados.
Descrição
Planta longitudinal de massa simples com cobertura homogénea em telhados de duas águas. Fachadas rebocadas e com restos de pintura, em algumas zonas revelando a sua estrutura, em alvenaria de xisto. Fachada principal virada a O., com pilastras toscanas nos cunhais, coroados por pináculos piramidais e terminada em empena, de cornija, truncada por sineira, sobrelevada, sobre cornija, com arco de volta perfeita sobre pilares, e terminada em empena rematada por cruz de braços terminados em botão; é rasgada por portal de verga recta, inscrita, e por duas janelas rectangulares jacentes laterais, molduradas e gradeadas. Fachadas laterais cegas, terminadas em aba corrida de cantaria sobreposta por beirada simples e a posterior terminada em empena. NTERIOR de paredes rebocadas e pintadas, pavimento de lajes e tecto de perfil curvo, em talha, formando caixotões, assentes em cornija do mesmo material ritmada por mísulas volutadas. Sobre supedâneo de um degrau, surge o retábulo-mor, de talha, pintada de branco, de planta recta e um eixo, definido por duas pilastras estriadas, sobre plintos paralelepipédicos e capitéis jónicos, a do lado do Evangelho coroada por pequena urna; o painel rectangular, de madeira e terminado em cornija, surge pintado com a Descida da Cruz. À frente da cruz, que tem lençol suspenso formando drapeado e a que se encosta, de cada lado, uma escada, surge a Virgem sentada, de mãos postas, segurando no regaço Cristo morto, de braços descaídos; enquadram-na três figuras, José de Arimateia e Nicodemos e uma figura feminina; ático formado por concha entre elementos volutados vazados. Altar paralelepipédico, de frontal seccionado em três painéis por molduras ornadas de acantos enrolados, criando sanefa e sebastos; sobre o altar existe banqueta com quatro degraus paralelepipédicos. Na parede do lado da Epístola, junto ao retábulo, existe nicho de alfaias, em arco de volta perfeita.
Acessos
Largo da Capela. WGS84: 41º10'17.82''N., 7º49'44.57''O.
Grau
3
Enquadramento
Rural, isolado, num dos extremos da povoação, a 329 metros de altitude, em plataforma artificial niveladora do declive do terreno, formando adro, coberto de vegetação espontânea e com acesso frontal por dois degraus. É envolvido por campos de cultivo.
Descrição Complementar
A verga do portal tem a inscrição ANNO 1699.

 


Utilização Inicial
Religiosa: capela
Utilização Actual
Devoluto
Propriedade
Privada: Igreja Católica
Época Construção
Séc. 17 / 18
Cronologia
1699 - data inscrita no portal assinalando a sua construção; séc. 18 - feitura do altar-mor; 1758 - referência à capela de Santa Bárbara pelo abade António Alberto de Faria, nas Memórias Paroquiais da freguesia, que pertencia a Pedro da Fonseca de Castro, então vivendo na cidade de Braga; séc. 18 - feitura da mesa de altar.
Características Particulares
Capela rural de linhas sóbrias, com portal inscrito com a data de construção e revelando técnicas construtivas tradicionais na fachada lateral, onde a beirada surge sobre aba corrida de cantaria, e na posterior, onde o remate é feito por trave de madeira. Apesar da ruína e do abandono, conserva no interior o tecto de caixotões e o retábulo maneirista, com tábua pintada representando a Descida da Cruz. O altar-mor é barroco, de estilo nacional.
Dados Técnicos
Sistema estrutural de paredes portantes.
Materiais
Estrutura de alvenaria de xisto rebocada e pintada; pilastras, pináculos, cornija, sineira e molduras dos vãos em cantaria de granito; porta de madeira; grades de ferro; pavimento de lajes; retábulo de talha; painel pintado; tecto de talha; cobertura de telha.
Bibliografia
Coord. SILVA, Isabel, Dicionário Enciclopédico das Freguesias, vol. 3, Matosinhos, 1997; CAPELA, José Viriato, BORRALHEIRO, Rogério, MATOS, Henrique, As Freguesias do Distrito de Vila Real nas Memórias Paroquiais de 1758. Memórias, História e Património, Braga, 2006.
Observações
EM ESTUDO
Fonte
S.I.P.A. por Paula Noé

 

 

Freguesias e Património

Mesão Frio oferece mais...