• www.mesaofrio.com.pt
  • www.mesaofrio.com.pt
  • www.mesaofrio.com.pt
  • www.mesaofrio.com.pt

História

Lazer

Vitivinicultura

Gastronomia

Artesanato

Definição dos Vinhos de Mesa

  • Versão para impressãoEnviar por E-mail

Mundialmente conhecida pelos Vinhos do Porto, a região do Douro começa a olhar com mais atenção para os vinhos de mesa: vinhos tintos de cor rubi, frutados e encorpados, de excepcional qualidade e tradição ou brancos macios, mas de aroma acentuado.


Vinho Tinto: A cor varia desde o rubi aberto ao vermelho carregado; aromas de frutos maduros compotas e especiarias. Podem beber-se desde jovens até 10 e 20 anos (para aqueles de melhor qualidade).


Vinho Branco: com uma acidez relativamente baixa, podem apresentar cores que variam desde o amarelo claro ao dourado. Ao sabor apresentam-se macios e frutados podendo ser vinosos quando fermentados em madeira.

Os Vinhos Tintos são produzidos a partir de castas autóctones como a Touriga Nacional, Touriga Franca, Tinta Roriz (Aragonez), Tinta Barroca e Tinto Cão. A grande maioria dos vinhos resulta de um lote de várias castas, com uma complexidade e riqueza ímpares, que lhes imprimem um perfil característico do Douro. Existem ainda bons exemplos de vinhos monovarietais, produzidos apenas com uma casta, principalmente das três primeiras.

 


Tintos para consumir jovens: A maioria apresenta uma cor rubi e aromas de frutos vermelhos como framboesas e morangos, que podem ser complementados por notas florais e de madeira. Têm corpo médio e adstringência equilibrada. Os “Douro” jovens serão apreciados em todo o seu esplendor se consumidos nos primeiros anos após a vindima. Entre estes vinhos encontram-se os tintos mais adequados para acompanhar pizzas, massas, bacalhau ou pratos de carne pouco elaborados. Devem ser servidos entre os 13º e os 15 ºC. Tintos de guarda: Têm boa profundidade de cor e aromas complexos e intensos. Quando novos, é comum surgirem notas de frutos pretos, chocolate, balsâmicas, violeta e madeira, sendo vinhos de grande estrutura e com taninos persistentes. No seu apogeu, que pode levar quase uma década a atingir, apresentam aromas delicados e subtis mas de grande complexidade. Na boca o vinho amacia mas mantém-se equilibrado. Uma parte significativa dos vinhos de guarda produzidos no Douro apresenta no rótulo a designação. Reserva ou Grande Reserva: Quando novos são a ligação ideal para pratos de carne vermelha, como um bife de vaca ou carne assada com condimentos fortes, associando-se assim a alguns pratos da cozinha tradicional portuguesa como o cabrito assado ou a posta de vitela. Quando envelhecidos são recomendados para acompanhar pratos de caça. Devem ser servidos entre os 16º e os 18 ºC.


No Douro existem grandes vinhos brancos para serem descobertos. Os vinhos secos são produzidos por lotação de várias castas como a Malvasia Fina, o Viosinho, o Gouveio e o Rabigato.


Brancos para consumir jovens: De cor pálida, com refrescantes aromas a fruta (citrinos e outros frutos de árvore) e florais, na boca são equilibrados mostrando a sua juventude. São um bom acompanhamento de pratos de peixe, saladas, podendo ainda ser bebidos como aperitivos. Devem ser consumidos a uma temperatura entre os 8º e os 10 ºC. Brancos de guarda: Apresentam boa intensidade aromática e boa complexidade e geralmente fermentam ou estagiam em madeira, apresentando nesses casos uma cor dourada e aromas tostados e de fruta tropical. No palato são cheios e persistentes. Acompanham bem pratos de peixe gordo como o salmão ou o bacalhau, podendo também ser servidos com frango ou coelho acompanhados de molhos suaves. A maioria destes vinhos ostenta a designação Reserva e Grande Reserva e devem ser servidos a uma temperatura que ronde os 12 ºC. Poderá guardá-los alguns anos até os consumir.
 

Vinhos Rosados: Acompanhando a tendência de consumo a nível mundial, a região do Douro tem visto nascer um número cada vez maior de vinhos rosados. Estes vinhos produzidos a partir de uma maceração ligeira de uvas tintas, apresentam uma bela cor rosada e exuberantes aromas jovens de framboesa, cereja e rebuçado. Na boca, entusiasmam pela sua suavidade, doçura e acidez.
São óptima companhia para um aperitivo no verão, assim como se conjugam na perfeição com a gastronomia de fusão e a oriental, como a japonesa (sushi), indiana ou do sudeste asiático (tailandesa e vietnamita).
 Devem ser consumidos enquanto jovens (1 a 2 anos) e servidos ligeiramente frescos, entre 10º e 12º C.
 

Outros vinhos do Douro: Com menos expressão dos que os restantes vinhos, podemos ainda encontrar, sobretudo nas cotas mais altas, produtos com características particulares como o Moscatel do Douro, o Espumante do Douro (VEQPRD) e vinho novo (vinho da última vindima), bem como o Colheita Tardia, elaborado com uvas em sobrematuração por acção da podridão nobre.

 

 
 

Prova de Vinhos

Mesão Frio oferece mais...