albergariaEstava localizada no espaço actualmente ocupado pelas instalações das águas termais. Em 1097, antes da formação do reino portucalense, a mãe do primeiro Rei de Portugal, Infanta D. Teresa, entregou uma quinta a um Gonçalo Eriz com o propósito de aí ser construída uma albergaria destinada à pernoita de peregrinos, pobres ou doentes que necessitassem de abrigo, fornecendo gratuitamente cama, lume, água e sal. Pouco depois, a Rainha D. Mafalda mandou colocar, no mesmo local, uma barca denominada “DE POR DEUS” para a travessia do Douro igualmente gratuita. Os proveitos retirados da quinta eram aplicados na referida albergaria e no sustento dos barqueiros.